fbpx

Blog

O que é linfoma e quais são seus sintomas? Aprenda já!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Saber o que é linfoma e quais são os seus sintomas é fundamental, já que é uma doença que  está crescendo nos últimos anos. Ela ocorre quando as células que compõem o sistema linfático, os linfócitos, que deveriam deixar o organismo imune ao ataque de vírus, bactérias e demais perigos, se transformam em células malignas, desenvolvendo-se de maneira descontrolada..

A doença de Hodgkin pode ser dividida entre linfoma de hodgkin e linfoma não hodgkin, apresentando sinais, grau de agressividade, ocorrência e características diferentes. O primeiro acontece em um tipo de célula do sistema linfático chamada de célula de Reed-Sternberge, e o segundo tem uma maior ocorrência e pode aparecer em outras células do sistema linfático.

Quer entender um pouco mais sobre a doença, suas causas, sintomas e demais questões? Então, continue sua leitura!

Causas do linfoma

Os linfócitos, como viemos discutindo anteriormente, tem como função defender o corpo contra infecções. A doença acontece quando há uma mutação  no DNA dessa célula e ela começa a se tornar uma célula cancerígena com um processo descontrolado de multiplicação, podendo, inclusive, migrar para diferentes órgãos e tecidos, causando difetentes sintomas, como por exemplo, aumento de volume das ínguas (linfonodos) na região acometida.

Fatores de risco

Existem alguns fatores que tornam maior o risco de ter a doença, como:

  • comprometimento da função imunológica, provocado, por exemplo  pelo uso de medicações imunossupressoras para doenças autoimunes;
  • infecções provocadas pelo vírus Epstein-Barr, causador da mononucleose;
  • infecções causadas pela bactéria H. Pylori, que afeta o estômago;
  • portadores do vírus HIV, ao desenvolverem a AIDS;
  • exposição a agentes químicos e radioativos, ainda em investigação;
  • histórico familiar de linfoma.

Sintomas do linfoma

Os sintomas do linfoma podem variar muito de acordo com a região em que estiver localizado, tamanho e tipo. Conheça os principais:

  • inchaço dos gânglios linfáticos (ínguas), em diferentes localizações do corpo, como axilas, virilhas e pescoço);
  • febre aparentemente sem causa específica;
  • cansaço não explicado;
  • Suor noturno, em grande quantidade;
  • perda de peso sem causa aparente;
  • anemia;
  • dores abdominais.

Diagnóstico da doença

Além de saber o que é linfoma e quais os seus sintomas, é necessário entender como o diagnóstico da doença é feito. Em caso de suspeita, o ideal é buscar um médico especializado, que vai tomar as medidas necessárias para ter um diagnóstico preciso e tratar da melhor forma.

O exame mais comum é a biópsia da região afetada, que consiste na retirada de uma parte do gânglio atingido. A análise do tecido é capaz de identificar o tipo e subtipo do linfoma. Depois do diagnóstico, é importante conhecer o grau de acometimento provocado pela doença e, para isso, podem ser realizados os seguintes exames:

  • exames radiológicos, como a tomografia;
  • avaliação da medula óssea;
  • ultrassonografias;
  • demais testes bioquímicos.

Formas de tratamento

O tratamento inicial é definido de acordo com o tipo, estágio da doença, idade e condições clínicas do paciente. Nos primeiros estágios, geralmente o tratamento é feito por meio de quimioterapia, seguida de radioterapia nas regiões acometidas.

Nos casos dos estágios mais avançados, a quimioterapia pode ser realizada como tratamento isolado, e a radioterapia pode ser utilizada para locais de grande volume de doença. Em situações mais graves, que não respondem bem à quimioterapia, o transplante de medula óssea pode ser uma opção.

O linfoma é uma doença de difícil prevenção, mas que deve ser detectada o mais precocemente possível. Ações saudáveis em nosso dia a dia, como alimentação saudável, prática de exercícios físicos, realização de exames de rotina e a busca pelo serviço de saúde quando houver suspeita é essencial para conseguir detectar de forma precoce e evitar complicações advindas da doença.

Gostou deste post? Aproveite sua visita para entender as diferenças entre radioterapia e quimioterapia e saiba mais sobre o assunto!

 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email