fbpx

Blog

Quimioterapia: entenda os fundamentos do tratamento

Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

A quimioterapia é um tratamento importantíssimo contra o câncer, que utiliza a administração de medicamentos com a finalidade de destruir e/ou inibir o desenvolvimento de células malignas. No entanto, pelo fato de gerar alguns efeitos colaterais no organismo, como vômitos, diarreia e queda dos cabelos, muitos pacientes ficam em dúvida quanto à sua administração. Por este motivo, é importante entender como funciona a quimioterapia.

Pensando nisso, elaboramos este post para esclarecer os principais pontos, que incluem sua indicação, medicamentos utilizados e tipo, para mostrar como ela pode ser uma ótima aliada no combate ao câncer. Confira!

Como funciona a quimioterapia?

Os medicamentos quimioterápicos são medicamento especializados em destruir e/ou impedir o desenvolvimento de células cancerosas. Após administrados, esses medicamentos se misturam com o sangue e são transferidos para todas as regiões do corpo, assim, conseguem matar as células doentes que formam o tumor e evitar o seu crescimento.

Para quem a quimioterapia é indicada?

Não são todos os pacientes que precisam receber quimioterapia, já que muitos tipos de câncer são curados somente com cirurgia ou cirurgia mais radioterapia. No entanto, quando a doença é diagnosticada, vários fatores são avaliados pelo médico oncologista para indicar o tratamento mais adequado, que pode incluir somente a quimioterapia  ou a combinação desta com a radioterapia e a cirurgia.

Outro ponto que o médico oncologista têm de avaliar é que quanto maiores as chances de o tumor voltar depois da cirurgia, mais indicada é a quimioterapia. Em outros casos, o câncer é diagnosticado já em estágio avançado e a cura não é o objetivo do tratamento,., Porém, ainda é possível desacelerar o avanço da doença com a quimioterapia e, dessa forma, prolongar o tempo de vida do paciente.

Quais são os tipos de quimioterapia?

Existem vários protocolos e esquemas de quimioterapia que são prescritos pelo médico conforme o tipo, gravidade ou estágio do câncer e condições clínicas de cada pessoa. A quimioterapia pode ser classificada como:

  • curativa: quando é capaz de curar o câncer por si só;
  • neoadjuvante ou adjuvante: quando é aplicada antes ou depois da cirurgia ou radioterapia, com a finalidade de complementar a cirurgia e buscar a eliminação da doença de maneira mais efetiva;
  • paliativa: quando não tem o objetivo curativo, mas age para aumentar o tempo e qualidade de vida. 

Como o tratamento é administrado?

A quimioterapia é administrada pela equipe de enfermagem, e pode ser feita das seguintes formas:

  • via oral (por boca): o paciente ingere o medicamento na forma de comprimidos ou cápsulas.. Esse método também pode ser realizado em casa;
  • via intravenosa (por veia): a medicação é aplicada diretamente na veia ou via cateter (tudo fino inserido na veia), na forma de injeções ou soro;
  • via intramuscular (músculo): o medicamento é aplicado por injeções no músculo;
  • via subcutânea (pele): a medicação é administrada por injeções por baixo da pele;
  • via intratecal (espinha dorsal): é uma administração menos utilizada, que pode ser aplicada no líquor (líquido da espinha), pelo próprio médico ou em uma sala de cirurgia;
  • via tópica (sobre a mucosa ou pele): o medicamento é aplicado em uma região específica da pele ou mucosa..

Quais são as diferenças entre quimioterapia branca e quimioterapia vermelha?

É muito comum, principalmente em pacientes com câncer de mama, identificar as quimioterapias pela cor, justamente por ter no protocolo quimioterápico a doxorrubicina (quimioterapia de cor vermelha), sendo a outra de cor transparente, o paclitaxel ou docetaxel, chamados de branca por comparação.. No entanto, essa diferenciação não é totalmente adequada, pois existem vários tipos de medicamentos quimioterápicos utilizados que tem também a cor transparente. Mas, para efeitos práticos, vamos falar um pouco sobre essas duas quimioterapias que fazem parte da maior parcela dos protocolos voltados ao câncer de mama, assim como para outros tipos de câncer.

A quimioterapia branca é o grupo dos medicamentos conhecidos como taxanos (Docetaxel e Paclitaxel), que são usados para tratar vários tipos de câncer, como os de pulmão, próstata,  mama, entre outros, e geram efeitos colaterais como: redução das células de defesa do corpo e mucosite (inflamação da parede interna desde a boca, até o ânus).

Na quimioterapia vermelha está o grupo das Antraciclinas (Epirrubicina e Doxorrubicina), usadas para agir em diversos tipos de câncer, tanto em crianças quanto adultos, como, por exemplo,  câncer de mama, leucemias agudas, tireóide, rins e ovários, provocando efeitos colaterais como náuseas e dores abdominais, além de serem tóxicas ao coração, a depender da dose ou do tempo de tratamento.

O tratamento mais apropriado será definido pelo seu médico, depois de uma avaliação detalhada de todos os fatores que fazem parte da sua  saúde.

Quais são os efeitos colaterais da quimioterapia?

Pelo fato da quimioterapia ser um tratamento destinado a destruir células doentes com rápido crescimento, acabam afetando também células saudáveis, provocando efeitos colaterais. Veja os mais comuns:

  • fraqueza: ocorre porque a quimioterapia diminui os glóbulos vermelhos do sangue, que são responsáveis por levar energia para as células de todo o nosso corpo. Logo, sem energia, o corpo fica cansado.
  • diarreia: ocorre porque a quimioterapia mata muitas células intestinais e ocorre um desequilíbrio entre os líquidos de dentro do intestino e de dentro das células do corpo, fazendo com que o organismo solte mais liquido nas fezes;
  • perda de peso: pode ter diversas causas, como náuseas e vômitos, diminuição da alimentação ou hidratação, diarreia, etc;
  • mucosite oral: ocorre também por morte das células da boca e do esôfago. É muito importante identificar feridas ou manchas avermelhadas dolorosas ou brancas na boca e avisar sua equipe de saúde. A mucosite pode levar a infecção generalizada em uma pessoa com imunidade baixa.  ;
  • náuseas e vômitos: ocorre porque a quimioterapia atinge células no intestino que são responsáveis por avisar o cérebro quando existe algo de estranho vindo do estômago. É uma forma de o corpo se defender de agentes estranhos. A mensagem chega ao cérebro, que envia outra mensagem ao estômago dizendo para que não deixe o “agente estranho” passar e pede que o joque fora do corpo, daí vomitamos. 
  • tontura;;
  • constipação intestinal: acontece, principalmente, pelo uso de medicamentos fortes para dor vinda do câncer ou provocada pelo tratamento;
  • dor, relacionada a expansão da doença no organismo ou ao efeito do tratamento em áreas específicas do corpo, como músculos e articulações;
  • fadiga;
  • queda de cabelo: acontece porque a quimioterapia atinge as células do folículo piloso (estrutura que nascem os cabelos) e impede o crescimento de novos cabelos.;
  • alterações na cor da pele e unhas, entre outros.

Um dos efeitos colaterais mais graves ocorre quando o medicamento atua sobre a medula óssea. Como esse órgão é responsável pela produção de células sanguíneas novas, como as plaquetas e os glóbulos brancos e vermelhos, esta produção é diminuída e fragilizada, provocando sangramentos, anemias intensas e diminuição da imunidade.

Quanto tempo dura o tratamento da quimioterapia?

A duração do tratamento dependerá do tipo de tumor e de cada caso em particular. Ainda que a pessoa sinta qualquer mal-estar, as administrações dos medicamentos não deverão ser suspensas. Apenas o médico responsável é quem indicará o fim do tratamento. Porém, é importante que você diga ao médico ou ao enfermeiro se ocorreu algum desses efeitos colaterais, assim como reportar em seu aplicativo.

Quais são os cuidados necessários durante o tratamento?

Alguns cuidados são muitos importantes para garantir o bem-estar durante o tratamento. Por exemplo:

  • seguir estritamente as orientações do seu médico ou enfermeiro, principalmente sobre possíveis sintomas e efeitos colaterais e o que precisa ser feito caso os tenha;
  • manter uma alimentação saudável, seguindo as orientações de sua nutricionista ou equipe de saúde;;
  • beber pelo menos dois litros de água por dia, a não ser que seu médico diga que deva beber menos que isso devido a problemas de saúde;
  • ter boas noites de sono;
  • procurar imediatamente o enfermeiro de nosso aplicativo ou médico em pronto atendimento para caso de febre.

Agora você entende melhor como funciona a quimioterapia, quais seus tipos e por quais motivos ela gera tantos efeitos colaterais, que muitas vezes podem causar um certo medo. Por ser um tratamento importante, em caso de qualquer dúvida sobre sua doença ou seu tratamento, procure sua equipe de saúde para esclarecê-las, afinal, isso é fundamental para a sua segurança e bem-estar durante o tratamento.

Este conteúdo foi útil para você? Então, aproveite sua visita em nosso blog para assinar agora mesmo a nossa newsletter e receber todos os nossos materiais em primeira mão!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email